Os artigos que compõem este livro compartilham uma perspectiva comum: a de entender a trajetória histórica de qualquer economia como a síntese de aspectos estruturais, cíclicos e de política econômica. E esse ponto de vista não poderia ser esquecido e tampouco minimizado ao se examinar a experiência recente de desenvolvimento econômico do Brasil, durante os governos Lula e Dilma, com especial destaque para este último período.







O professor Paulo Nogueira Batista Jr, ex-vice-presidente do Novo Banco de Desenvolvimento (BRICS) e ex-diretor-executivo no FMI pelo Brasil, visita o Instituto de Economia para palestra sobre a experiência de suas passagens pelas duas organizações multilaterais durante os anos de 2006 a 2010.







O “I Encontro de Jovens Pesquisadores”, nos dias 18 e 19 de abril, uniu pós-graduandos e professores do Instituto de Economia da Unicamp e do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na sede do IE-Unicamp, em Campinas, e mostrou que vem aí uma nova geração de economistas disposta a remar contra a corrente hegemônica da ortodoxia econômica.







O livro “Dimensões críticas da reforma trabalhista”, organizado por José Dari Krein, Denis Gimenez e Anselmo dos Santos no âmbito de um convênio entre o Ministério Público do Trabalho e o Centro de Estudos Sindicais e Economia do Trabalho (Cesit) da Unicamp, é, possivelmente, o mais completo trabalho sobre a reforma trabalhista aprovada pelo Congresso Nacional em 2017.







O economista sul-coreano Ha-Joon Chang, professor da Universidade de Cambridge (Reino Unido), apresentou, nos dias 8 e 9 de maio, duas conferências no Instituto de Economia da Unicamp, em eventos comemorativos aos 50 anos do IE.
Considerado um dos mais influentes economistas heterodoxos da atualidade, Chang atraiu um grande público aos auditórios do IE, que receberam cerca de 620 expectadores para as palestras.







O encontro será realizado no IE nos dias 19 e 20 de abril e visa propiciar um espaço para divulgação e debate de projetos de pesquisa no campo da economia heterodoxa de alunos de mestrado e doutorado, a fim de promover a interação entre jovens pesquisadores, que muitas vezes desconhecem projetos de pesquisa fora de seu centro de estudo, bem como incentivar o debate entre as linhas de pesquisa dos dois centros.
Mais informações: https://goo.gl/3Nvsnk







A autonomia financeira obtida em 1989 por Unicamp, USP e Unesp imprimiu uma nova dinâmica às atividades das instituições, a ponto de colocá-las entre as mais destacadas escolas de ensino superior do mundo. Entretanto, tal condição segue sofrendo questionamentos e ameaças, visto que está baseada em decreto que pode ser alterado ou extinto a qualquer momento.







Como parte das comemorações dos 50 anos do Instituto de Economia, iniciou-se a série de seminários “O IE/Unicamp e o Brasil”. O primeiro encontro reuniu alguns dos principais responsáveis pela conquista da autonomia universitária no estado de São Paulo. No dia 11 de abril passaram pelo IE os professores Carlos Vogt, Luiz Gonzaga Belluzzo, Frederico Mazzuchelli e o atual reitor da Unicamp, Marcelo Knobel, para um debate sobre o tema.